Há semelhanças entre a análise de empresas e o jornalismo investigativo? Muitas

A Malu Gaspar, d’O Globo, é uma das melhores jornalistas investigativas do país.

Buscamos inspiração nos grandes jornalistas investigativos. A Malu Gaspar, d’O Globo, é uma das melhores jornalistas investigativas do país. Os livros “Tudo ou Nada”, sobre Eike Batista, e “A Organização”, sobre a Odebrecht, são trabalhos de fôlego em que Malu traz à tona uma faceta do capitalismo brasileiro que muitos gostariam de esconder.

O trabalho do analista de empresas é muito parecido com o do jornalista investigativo. Uma companhia é um organismo vivo em constante movimento. Possui cultura, processos, pessoas, incentivos, competidores, etc. Compreender sua dinâmica envolve muito mais que ler balanços. Estudar empresas requer curiosidade aguçada. Para encontrar as respostas que movem um caso de investimento, o analista tem que possuir habilidade para coletar (e checar) informações pertinentes de inúmeros stakeholders.

As similaridades não param por aí. Depois de muito cavar, um atributo igualmente importante é a capacidade de síntese. Pouco adianta ter muita profundidade sobre um assunto se não for possível colocar no papel o suprassumo das ideias. Uma tese de investimento nada mais é que o xarope concentrado de um longo processo de estudos. Tentando sempre melhorar a receita desse xarope, buscamos inspiração nos grandes jornalistas investigativos. Ambos têm na sua profissão a paixão por farejar e encontrar respostas.