Qual fundo da IP é mais indicado para mim?

Qual fundo da IP é mais indicado para mim?

A IP desde sua fundação se dedica exclusivamente à gestão de fundos de ações. Mas quais são as principais diferenças entre os fundos? E mais importante: qual deles é mais indicado para mim? Recebemos essas perguntas de clientes e potenciais clientes praticamente todos os dias. Entenda a seguir as principais diferenças entre os fundos para que você possa refletir sobre a melhor escolha para você:

 

  • IP Participações: esse é o primeiro fundo de ações lançado por uma asset independente no Brasil. O principal objetivo dele é formar uma poupança de longo prazo com segurança. Desde a criação do Plano Real, em julho de 1994, o fundo rende mais de 22.000%. O IP Part possui entre 15 e 20 ações no portfólio. A carteira é composta das melhores empresas brasileiras e estrangeiras que encontramos. O percentual que o fundo tem em cada geografia é resultado das nossas análises micro – investimos nas empresas que identificamos que têm as melhores taxas internas de retorno. O fundo costuma neutralizar a exposição ao dólar, mas em cenários de estresse pode se expor a moeda como proteção. Outro detalhe importante é que o IP Part é exclusivo para investidores qualificados – ou seja, só pessoas com patrimônio de R$1 milhão ou mais em aplicações financeiras ou profissionais de mercado podem investir nele. 

 

  • IP Participações IPG: esse fundo tem uma carteira idêntica ao IP Participações, mas é nosso único fundo que pode ser acessado por investidores em geral. A principal diferença entre os dois é o índice de referência usado para a cobrança da taxa de performance. Enquanto o IP Participações cobra performance de 20% sobre o que superar IPCA + IMA-B yield, no IP Part IPG é 20% sobre o que superar o IBrX. No longo prazo, entretanto, os dois fundos tendem a apresentar resultados muito parecidos.

 

  • IP Value Hedge: na visão dos alocadores é o nosso hedge fund. Apesar de investir majoritariamente em ações e de também não estar sujeito à cobrança do come-cotas, o IP VH é classificado como um fundo multimercado. É um long biased, com exposição direcional comprada. Ele se encaixa bem em uma carteira de fundos de multimercados porque diminui a correlação do portfólio com o Ibovespa e outros fundos da categoria. Por possuir menor volatilidade que o IP Participações, o objetivo do fundo é apresentar retornos substancialmente superiores ao CDI (e não ao Ibovespa). Costumamos indicar o fundo a investidores que planejam deixar o dinheiro aplicado por ao menos 3 anos – já no IP Part a sugestão é para aguardar janelas de ao menos 5 anos para o resgate.

 

  • IP Atlas: é a solução para os clientes que desejam ter exposição concentrada nas melhores empresas no exterior que encontramos e mais ao dólar. O IP Atlas mantém um portfólio composto majoritariamente de empresas estrangeiras. Se o dólar sobe, quem investiu no fundo ganha, e vice-versa, ao contrário do que acontece em todos os outros fundos da IP, que possuem hedge cambial. Sugerimos para esse fundo um prazo de investimentos superior a 5 anos.

 

  • IP Previdência: é nosso produto de previdência. Tem a carteira mais parecida possível à do IP Participações, mas que não pode ser idêntica porque o investimento em ações estrangeiras está limitado, por regulação, a no máximo 40% do patrimônio. O IP Prev oferece vantagens tributárias aos investidores que entregam a declaração completa do Imposto de Renda e querem postergar o pagamento de IR por meio um PGBL. O fundo também pode ser usado para planejamento sucessório porque, na maioria dos Estados brasileiros: os PGBL e VGBL não entram no inventário e não ficam sujeitos ao pagamento de ITCMD nem aos custos de honorários advocatícios na transmissão da herança.

 

Com essas informações você deve ter mais facilidade para escolher o fundo da IP ideal para você. Caso ainda tenha qualquer dúvida ou dificuldade para investir em nossos fundos, basta nos enviar uma mensagem. Será um prazer ajudá-lo!

Veja mais

Opinião

O que mais dificulta o sucesso do investidor?

O que mais dificulta o sucesso do investimento não são as crises e correções de mercado, são as reações dos investidores às crises e correções, que são inevitáveis.
Opinião

Volatilidade em ações é uma certeza, não é opção.

Em um bate-papo exclusivo para assessores de investimento, nosso sócio Pedro Andrade explicou o cenário desafiador atual e enfatizou que enquanto o mercado reage a uma possível recessão, procuramos entender aquilo que não vai mudar.
Insight

O goleiro do seu time deveria pular no pênalti?

As chances do goleiro do seu time defender um pênalti é maior se ele ficar no centro do gol. Porém, em apenas 6% das cobranças os arqueiros ficam parados e há um motivo para escolherem um lado: o sentimento de que estão fazendo algo. 
Insight

Coisas que não vou me arrepender em 20 anos

A vida é uma eterna escolha e renúncia. Em decisões pessoais ou financeiras, você precisa se perguntar: vou me arrepender disso em 20 anos? Veja as lições de Ben Carlson, gestor financeiro da Ritholtz Wealth Management.
Opinião

“No mercado de ações, o órgão mais importante é o estômago. Não o cérebro.”

Em um bate-papo exclusivo para assessores de investimento, nosso sócio e cogestor Gabriel Raoni explicou por que o cenário, ainda que doloroso e desafiador, deixa a equipe da IP animada.
Opinião

“Eu não acredito que você consiga ser um bom investidor pulando de galho em galho”

Sócio e cogestor da IP participa do programa Skin In The Game, da Nord Research. Num bate-papo com os sócios da casa de investimento, falou sobre o jeito IP de investir, lembrou de cases e analisou Apple, Facebook e Netflix.

Quer saber mais?

Envie seu comentário, entre em contato ou acompanhe a gente nas redes sociais.

    Quero ficar por dentro das últimas publicações: